the wrong gift, the right choice

Amy had hoped for a French horn, but instead received from her parents a smaller box than expected. She knew that the musical instrument she longed for could not fit such a compressed package. Curious though, she went ahead and opened the gift. To her disappointment, a trumpet lay in front of her. The French horn was too expensive for her parents to afford, and she hence ended up with a cheaper option to honor her musical aspirations. Dissatisfied, Amy ignored her parents’ present for a few days. Only dumb boys play the trumpet, she pondered. However, the child’s disinterest did not last very long; her inquisitiveness won over her resistance. Even though Amy initially treated the dreadful object with caution, she was yet able to explore the fine nuances of sound which this metal tube offered.

What Amy did not predict was that the objectionable present would soon become an extension of her own body. The flowing vibration, passing from her mouth to the instrument, from the instrument to the room, infused her with life more than any other hobby might have done. The choice of musical instrument was not so wrong after all. Amy describes the French horn as a stiff device, associated with classical pieces of music only. Her trumpet, on the other hand, is versatile; it includes a variety of opportunities ranging from jazz to experimental music.

Nowadays Amy is part of the Montreal Orchestra. The little girl who disliked her parents’ gift became a professional who appreciates the soul of stages. Playing at Carnegie Hall, in New York City, brought Amy to her dream venue and her parents sat in the audience to witness the maturing of their daughter’s musical capabilities. This trumpet player does hardly feel the pressure one might usually experience in such a prestigious space, but instead feels a sense of performing with responsibility. The conductor though becomes tense in major concerts, mainly when there is a TV or radio broadcast. Amy, conversely, finds a challenging situation inspiring.

The versatility of the trumpet matches the Canadian’s personality. The flexible approach to life reflects her early days of growing up on a farm located in Saskatchewan, a province of Canada. While her parents cultivated wheat and lentils, they were also musicians. Their passion permeated the entire family. Amy started having parts of her life take place in different settings: the little village with 500 inhabitants, the school town with 14,000, and the city where she used to study music over the weekends. Experiencing these different types of environments influenced her way of being.

Amy not only plays at the orchestra those classical pieces from Bantock and Moller, but she is also passionate about early music, fascinated by Renascence and Baroque, which she teaches at a university. On the other side of the spectrum, Amy’s spirit resonates with the possibilities of experimental, contemporary, and cross-over projects with other composers. If this open-minded musician would rule her own alternative, left-wing orchestra, the first amendment would be to stop playing Star Wars.

The hierarchy and stiffness of the orchestra bothers her soul, which ache for flying away. A divide exists between her political positions and the conservative structure of a traditional large instrumental ensemble. While there are climate protests running in Montreal, which Amy supports, the symphony orchestra engages in an international tour, entertaining the elites of developing countries in South America. Should she even be playing in a country ruled by a far-right politician?

During her childhood, the family acquired not one but two pianos so that all four kids could practice for their musical lessons. The time-management of the keyboard ran tightly, overseen by a driven mother. There was no space for exploring the instrument beyond the fixed rehearsal pieces. The rigidity of her musical routine as a child prompted Amy to allow her seven year old son more freedom to enjoy the newly purchased Yamaha home piano. Her child has now the opportunity to have jazz lessons and is free to jam as he wishes.

Amy’s mother works on pottery at the present time and has become more flexible as, in this art, improvisation is an advantage. The elderly woman has been redefining herself as an individual after the sudden death of her husband. Amy’s father is not in this world any longer, but his legacy of supporting the little girl’s dreams lives on inside of her. Living in Montreal, Amy sometimes feels lonely in social situations, which require French skills beyond her current capabilities. Quebec is like another country, in which she is a bit of an alien. The birth of her child let to an obscure phase in her life. During this period, it was even harder to improve her French. The dark period passed by; now the future holds new promises of self-expression. As Amy has lived most of her life in her head, the time to come reserves music as a carrier of the body through dance. The wrong gift shaped a whole life.

the language of animals

When Kath was about five years old, she prepared a special gift for her teacher’s birthday. The little girl overheard her kindergarten teacher’s fear, detecting a potential for the big surprise. Frequent visitor of a barn where raw products awaited their future at her family’s distillery in a Northwest German village, Kath explored the paths in the top floor between the piles of straw, searching ‘the object in question’ on the ground. It didn’t take long for her to find what she was looking for. The gift was carefully wrapped in a kitchen towel. Arriving at school, the angelical blond child marched toward her kindergarten teacher with both hands holding the package. She shouted ‘Happy birthday!’ whilst handing the item to the birthday woman. As she unwrapped the present, her facial expression shifted from sympathy to terror: there was a dead mouse inside of it. The teacher strode to the nearest trashcan holding the dead animal, followed by an army of young pupils, including Kath who felt excited within for having provoked such a reaction.

Not only could the little girl collect a dead mouse with ease, but she also befriended the animals considered enemies of rodents. Felines brought a sense of comfort that she didn’t know existed. In the same barn in which a few dead mice, cadavers of pigeons and spider webs were to be found here and there, cats would find a place to rest among mountains of straw that would be used for cattle bedding. To get closer to a tabby cat frequenter named Suzy, the kid would observe the animal from distance and make a subtle sound before every move to warn the animal about her intentions. This was not the only trick she developed. When the cat would close her eyes, Kath would shut hers, too. Proud of her connection with the felines, she narrates the time when Suzy became a mother and showed her the way to the litter. Cats usually hide their lineage from predators; exposing those little living creatures to a human was an ultimate sign of trust. The little girl had some sort of access to the animal kingdom. Kath would place the kittens on top of her body while stretched out on the floor. The lack of human affection in her early life led those fluffy tiny living beings to turn into soothing material; a satisfaction to her cravings for warmth.

With horses, Kath developed another sort of relationship. Trained in dressage from a young age, she would become a team with the four-legged companion. The line dividing the animal from the human body would somewhat dissolve in an invisible tune; a ballet of nature. The gallant young woman learned how to move her arms and legs with tenderness to let her pal know which kind of sequence to follow, whether it’d be leg yield, shoulder in, travers, half pass, flying changes, pirouette, rein back, counter center, or one of many other dressage movements. The animal followed her hints, most of the times. Depending on their personality, the experience would be an easy pie or a challenging endeavor. Kath has ridden from shy and friendly to wild and rebellious equines. Her intimate knowledge of animals guides her to understand how to conduct even the most temperamental horses.

As an adult, Kath still finds peace in the company of animals. She didn’t grow to become a veterinarian or zoologist even though she has undertaken an internship taking care of dolphins in a zoo in Duisburg when she was 17. She would prepare food for the aquatic animal and help clean the area around the tank. With her charms, Kath was even able to attract a dolphin to the edge as he turned around so she could pet his belly, going against the rules as interns weren’t supposed to touch the charismatic swimmers. The excitement to be near those friendly acrobatic mammals contrasted with a critical sense of the animals’ living conditions and their use as entertainment, being in captivity with no voluntary relationship to humans. During her PhD thesis in modernist literature in England, she’d ‘kidnap’ the cat’s neighbor to make him her faithful squire. Not in the sense that she’d have to force the feline inside the house, she just knew how to enchant Milo, a black and while amiable cat. Kath explains that she doesn’t lure felines with food; for her it’s not the right way to get close to them. The animals shouldn’t join her as a business trade of any sort, but they should approach her for affection solely. The literary modernist student knows how to make felines fall in love with her the same way that she falls in love with them. Kath is fluent in the language of animals. 

cientista da vida

A facilidade na área de exatas guiou Mariana para uma carreira acadêmica como pesquisadora e docente. Da graduação em engenharia química pulou diretamente para o doutorado em mecânica. Aplicou-se no desenvolvimento de novos materiais para reparos de defeitos ósseos. Com a trajetória profissional a mil, veio o stress ocasionado pela pressão por alta produção de artigos científicos e performance no cargo de professora universitária. A posição pesava e decorria na direção contrária de uma filosofia de vida mais equilibrada em que acreditava. Esgotada, Mariana considerou pedir sua exoneração. Evitando uma decisão permanente, porém, repensou e chegou a um meio termo – uma licença não remunerada pelo período de um ano para reconsiderar os rumos de sua vida.

Pouco tempo antes, Mariana recebeu em seus braços o primeiro bebê que segurou em sua existência – sua filha. Sem contato anterior com crianças pequenas, a vinda ao mundo de sua progênita trouxe um novo propósito. Já na gravidez, as concepções do parto mudaram para a acadêmica. No início, foi conduzida pela obstetria convencional que demonstrava propensão à cesárea. Pesquisando sobre o tema, o filme O Renascimento do Parto mudou sua forma de enxergar como o bebê havia de deixar seu útero. Uma obstetra humanizada a acompanhou a partir de então. Mariana foi aconselhada a lidar com seus medos durante o processo de gravidez para ter um parto tranquilo.

Havia o medo da dor e também da anestesia, já que não lida bem com injeções. Na única que tomou na vida, desmaiou. Terapia, yoga e meditação tornaram-se formas de apaziguar a ansiedade e trazer autoconhecimento. Com toda essa preparação, a vinda de Júlia ao mundo foi serena. Após algumas contrações em casa, deslocaram-se para o hospital; não demorou muito para a pequena apresentar-se para os pais e passar as primeiras três horas de vida no colo da mãe. Dar a luz a um serzinho como esse mudou a concepção de vida de Mariana. O parto desencadeou uma série de mudanças. O ritmo alucinado do trabalho deu espaço a questionamentos sobre como balancear os diversos aspectos da vida pessoal e profissional.

Natural de São José dos Campos, Mariana vê-se, no entanto, como campineira, já que a família migrou para Campinas quando ela era ainda criança. Cresceu acompanhando seu pai, físico, ao laboratório da universidade. Astuto, ele construía seus próprios equipamentos para pesquisa e alimentava a curiosidade da menina. Ao ser indagado sobre qualquer assunto, ao invés de responder, ele instigava sua filha a procurar as respostas de suas próprias perguntas. Assim já nascia uma pequena cientista dentro dela. A propensão empírica e científica durante a infância norteou seu futuro desenvolvimento profissional.

A crise que se instaurou com o excesso de trabalho e a recém-experiência materna direcionou sua reconstrução. A licença veio em boa hora. Nesse intervalo, pôde desenvolver-se em outra área, a da psicologia positiva. O marido também passou por uma crise semelhante com o esgotamento profissional, chegando à síndrome de burnout, o que o levou a pesquisar sobre inteligência emocional. Através da análise da situação de ambos, criaram uma empresa de desenvolvimento humano.

Com o fim do ano sabático, Mariana teve que encarar o retorno à universidade, mas estabelecendo um novo paradigma. Para ela, os conhecimentos refletidos de sua experiência pessoal poderiam ter um impacto maior se alcançassem os estudantes de engenharia. Introduziu sua proposta de inserir treinamento em habilidades socioemocionais na grade. Houve resistência do núcleo, principalmente da ala mais conservadora. No entanto, com perseverança, Mariana foi implementando seu plano de ação. Enquanto ela vai rompendo as convenções no ensino, os alunos apreciam competências de administração da vida que não aprenderiam em aulas de cálculo.

Os sonhos de qualidade de vida perduram. Mariana teve a oportunidade de morar em Barcelona, devido ao doutorado sanduíche, por seis meses juntamente com o marido que a acompanhou. Os dois se apaixonaram pela cidade. Voltaram como turistas e conheceram ainda mais a cultura local. Com o mar ao redor, a cidade catalã os acolhe. Apesar de grande, traz um ar de tranquilidade. Há a vontade de reviver esse estilo de vida espanhol. No entanto, do mesmo modo que Mariana pode deixar para trás seus títulos acadêmicos, ela também consegue adaptar-se a novos planos. Mais do que a aspiração de uma vida futura imaginada, situa-se a consciência do bem-estar do presente momento.

multiplicidade de ser

Quando sua filha, Sofia, nasceu algo mudou em Ivanez. Durante a gravidez não se sentia ainda pai. A imagem mental da ocasião fica guardada como um momento único que não poderia ser refeito como outras fotografias de viável reprodução. O momento de vinda ao mundo do pequeno ser alterou sua percepção. O contato até então era distante quando ainda no útero. Foi como se ele e ela estivessem desplugados e, na hora do encontro físico entre os dois, os fios relacionais se conectassem. Hoje com seis anos, a menina, um tanto independente e de personalidade forte, revela uma mistura entre características dele e da esposa.

Nascido em Currais Novos, no interior do Rio Grande do Norte, Ivanez desfrutou de uma infância venturosa. No bairro em que morava, jogava futebol e brincava de pega-pega livremente. A proximidade com os demais moradores trazia o aconchego de uma cidade pequena. No entanto, o elo com sua terra natal se rompeu com a mudança da família, por conta do trabalho do pai, para o Rio de Janeiro. A vida na capital fluminense gerou desafios sinuosos. Aos 15 anos, o adolescente potiguar não se adaptava à falta de liberdade imposta pela rotina carioca. O ambiente se revelava hostil como na escola em que convivia com alunos envolvidos com o tráfico de drogas. O contato com os habitantes da Cidade Maravilhosa também se apresentava adverso. Os locais não eram tão abertos quanto Ivanez esperava, mas ele se questiona também se não era ele que se fechava para as novas amizades.

Sua jornada de vida contou com diversas mudanças pelo território brasileiro. Junto com o pai, mãe e duas irmãs, migrou do Rio de Janeiro para Salvador e de Salvador para Fortaleza. No interior de Ivanez crescia uma vontade de colocar para fora o que se passava dentro de si. Ele tinha dificuldade em se expressar quando jovem e muitos conteúdos não ditos permaneciam guardados e em ebulição. A relação com o pai até a juventude foi um tanto distante. A ponte entre os dois se estreitou por um movimento de aproximação de Ivanez para com seu genitor. Da mãe herdou a praticidade e a disciplina.

As ideias propulsionadas por suas experiências de vida alimentaram o sonho de escrever um livro, mesmo a escrita sendo algo distante em sua vida. Com a impressão sequencial de letras, Ivanez acredita que, ao contrário das palavras ditas, as cravadas no papel perduram. Decidiu executar o manuscrito, com o lançamento do mesmo em 2019. Nele, faz uma analogia entre a construção de uma casa e o desenvolvimento pessoal que vai desde as fundações até a mobília, a última fase da feitura de si.

Em sua mente, flutua um mar de ideias; seu corpo produz força de ação para realizar o que atravessa seus neurônios. Profissionalmente já tocou restaurante, teve empresa de tecnologia, de desenvolvimento de aplicativos e até de realização de casamentos. Observador, Ivanez encontra ao seu redor motivos para melhorar a eficiência de qualquer empreendimento. Recentemente, passou a usar sua habilidade para prover mentorias de negócios.

A efervescência das abstrações que ocorre em seu cérebro, porém, não é fácil de lidar. Ivanez porta uma multiplicidade que, diversas vezes, o atrapalha. Há flechas mentais que apontam em diversas direções, muitas delas, contrárias. Na ânsia de realizar tudo o que pensa, já se encontrou no vácuo. Com o excesso de propósito ocorre a perda de foco ou, inclusive, uma paralisação generalizada. Em um momento de angústia e crise no relacionamento bem como na vida profissional, Ivanez teve um colapso de suas funções. Deparou-se com o vazio. Nessa ocasião, mudou-se para a praia, onde, ao longo de seis meses, processou o que ocorria em sua vida.

Após o hiato, Ivanez reatou com a esposa e recomeçou suas empreitadas. Voltaram com mais cumplicidade, entendendo melhor a natureza de cada um, e com uma vontade maior de ajudar o outro a realizar os seus sonhos. Formou-se também um compromisso interior com o que acredita, o desejo de trabalhar naquilo que é importante para ele. Colocou como meta arrumar os dentes para um sorriso mais tranquilo e também focou em perder peso do seu corpo que acumulava 128 quilos por conta de hábitos não saudáveis. Objetivos esses que foram cumpridos em um trato que fez consigo mesmo. Ivanez enfrenta o medo de parar, de se conformar e não evoluir mais. Atualmente, ele planta sementes para o futuro, mesmo outros não enxergando suas intenções. A sua germinação interior o guia com fugacidade.

escolhas que te escolhem

Uma experiência incomum era aquela de caminhar junto com outras nove pessoas sem trocar uma só palavra. Por cinco horas, o grupo compartilhou a sensação de explorar o centro de São Paulo em silêncio. Em um restaurante macrobiótico, a refeição compartilhada auferia um sentimento destoante da tática padrão de ocupar o recinto com sons emitidos pelas cordas vocais dos presentes. A paz tomava o espaço que muitas vezes é ocupado por conversas que não agregam. Essa vivência abriu a mente de Luciana para novas possibilidades. O mergulho interior desse processo meditativo deslocara névoas que revoavam dentro dela para dar lugar a algum tipo de revelação. Um sussurro íntimo reverberava na psique de Luciana para que se lembrasse do que sentiu naqueles momentos e não somente fosse uma experiência em vão.

Escrever sempre foi uma atividade espontânea que essa mulher crescida em Formiga, interior de Minas Gerais, desenvolveu ao longo dos anos. Em seus cadernos, Luciana observa seus sentimentos; a angústia se correlaciona positivamente com o número de linhas escritas. As turbulências e questionamentos da vida brotam das páginas de seu confidente inanimado de quando em quando. Em períodos em que vive no piloto automático, a caneta deixa de marcar o papel por um determinado período. A reflexão que desenvolve consigo mesma traz a essência do que carrega. Desde pequena, Luciana apresentava-se introspectiva; encontrava serenidade na leitura. Como caçula, tinha contato próximo com a mãe que agia como sua protetora. Difícil exprimir se a mãe influenciou seu modo de ser ao estimular uma vida mais caseira ou se a natureza intrínseca da menina contemplativa aflorava em sua personalidade. Do outro lado da moeda, havia os conselhos do pai que incentivava uma vida independente.

Luciana optou por cursar administração, a possibilidade mais rápida para começar uma universidade em Belo Horizonte. Outras escolhas seriam em medicina, arquitetura ou jornalismo. Encontrou no mundo das finanças a forma de tornar-se autossuficiente, seguindo os critérios do pai que adotou para si. Primeiro, foi da pacata cidade do interior de Minas Gerais para a capital do estado; deu então outro salto, mudando-se para o centro financeiro do país, São Paulo. A carreira se consolidava na metrópole e viu-se em um namoro de anos com seu melhor amigo. O que poderia parecer um triunfo de vida estável bem sucedida não acalentava sua alma; faltava algo que não se podia ver. Luciana sentia que estava deixando de viver outras vidas possíveis. A experiência no centro de São Paulo foi além do processo meditativo vivido, o grupo explorou também questionamentos sobre o universo e o sentido da existência de cada um no planeta Terra. Lá, uma recém-amiga a inspirou a romper com o conforto da vida segura para imergir-se em novas aventuras.

Na busca por estímulos alternativos aos já experienciados, Luciana se abriu com seu parceiro que precisava mudar sua vida em todos os aspectos. Os motivos da inquietude incluíam a vida não vivida ou controlada dentro de um roteiro que se formou sem que ela se desse conta. Ele a incentivou a procurar rotas que a tornariam mais realizada. Decidiu por largar o emprego, terminar o relacionamento de doze anos e partir para Londres. A escolha pela cidade britânica era reflexo do que havia vivido em São Paulo, um lugar onde muitas culturas diferentes se encontram. Seguiu para vivenciar o desconhecido e descobrir algo sobre si.

Nos sete meses que passou na nublada cidade europeia, estudando inglês e fazendo cursos para seu desenvolvimento profissional, permitiu-se viver novas experiências, essas sim coloridas. O desejo de saborear novas formas de amor veio à tona. Após algumas tentativas frustradas de se relacionar com mulheres, encontrou fortuitamente uma que fez seu coração bater mais forte. A multiplicidade cultural que buscava na metrópole se refletiu no amor. Com uma indiana radicada na capital inglesa iniciou um tenro romance. Mesmo depois da volta para o Brasil, o elo entre as duas perdurou com inúmeras visitas de um lado a outro do oceano.

O encontro ao acaso na Inglaterra transformou-se em uma nova jornada de vida. O amor vingou. Luciana parte em breve, de férias, para Índia para conhecer toda a família da amada. As tradições de casamentos arranjados indianos foi desfeita para dar lugar ao inesperado. Os familiares começam a abraçar as escolhas de sua componente e dar boas vindas à sua parceira brasileira. Enquanto isso, Luciana vai se desfazendo de seus pertences no Brasil para, em alguns meses, emigrar para Londres, iniciando uma trajetória de outra vida possível com sua parceira. De Formiga para Belo Horizonte, de Belo Horizonte para São Paulo e do Brasil para o Mundo. Escolhas ditas aleatórias transformam-se em um quebra-cabeça de uma vida plenamente vivida.

senhora de seu próprio destino

A novela brasileira Senhora do Destino trouxe uma luz no fim do túnel para a vida da moçambicana Lara. Não pela protagonista que se muda do Nordeste para o Rio de Janeiro, procurando uma vida melhor, apesar de ser também uma motivação plausível para justificar sua jornada. A inspiração, na verdade, veio por conta do casal de lésbicas que atravessava os televisores das casas do sudeste do Continente Africano. Pela primeira vez em sua história, Lara se viu representada em um meio de comunicação proeminente. Era um certo alívio que seus conterrâneos em Maputo, capital de Moçambique, pudessem se informar, descobrir que havia outras pessoas no mundo como ela. Sua condição não era algo de outro universo, mas uma concepção de vida possível.

A exportação cultural brasileira, por ter a mesma língua pátria, aproxima os países. A produção global trazia a noção do que ocorria do outro lado do Atlântico. Para Lara, o Brasil se tornou uma esperança de lugar onde pudesse ser ela mesma. O plano intensificou-se quando a maputense percebeu sentir-se no lugar errado com as pessoas erradas. O abandono do pai, por não aceitar sua filha como ela era, foi o estopim de um conflito social. Com o fato de a novela retratar duas mulheres que se relacionavam amorosamente, Lara entendeu que no Brasil, ao menos, se falava sobre o assunto. Em seu país de origem, o assunto era tabu, mantido em silêncio.

A quietude só era quebrada ao som de insultos que ouvia na rua, como ‘fufas’, gritados por conhecidos quando passava em público com outra mulher ao lado. Ou pela forma arbitrária como fora tratada pela polícia em uma interferência parcial. Um julgamento verbal de um policial de como se vestia e portava rendeu um mês na prisão, o que ela considera poder ter sido resolvido com uma multa por infração de trânsito — o verdadeiro delito em questão. As restrições à sua forma de ser apagavam seu sorriso.  

O casal Bárbara e Eleonora, da ficção televisiva, provia um sonho, o de ir para tal país onde Lara pudesse também viver abertamente e com dignidade. Sua missão crescia, mas mantinha-se secreta. A aspiração passou a ser plano, e o plano se concretizou em 2013. Ela construiu condições para lançar-se a um novo rumo. Trabalhou e juntou a quantia necessária para colocar o projeto em prática. Seria ela a personagem de seu próprio roteiro, traçando um destino diferente daquele estabelecido na África.

Desembarcou em Guarulhos como turista que Lara sabia que não era. Pediu para o taxista que a levasse para um hotel no centro da capital. O condutor, perguntando sobre suas origens, percebeu para onde deveria guiá-la. Ele deixou Lara em um hotel no Largo do Paissandu e indicou onde encontrar outros africanos em condições semelhantes, que poderiam ajudá-la. Após acomodar-se, a moçambicana marchou para a Galeria Presidente, mais chamada pelos frequentadores de Galeria dos Africanos, uma espécie de Torre de Babel, onde é ouvida pelos corredores uma nuvem de línguas de todos os cantos de seu continente de origem. Um nativo de Guiné Bissau a indicou a Cáritas, organização não governamental, que acolhe refugiados e explicou como proceder.

A estrangeira, em um mundo mais familiar em que nascera, preencheu as fichas para permanecer em sua nova nação. Encontrou acolhimento na Missão Paz, organização filantrópica que oferece moradia provisória a refugiados recém-chegados. Lá podia dormir, mas os dias eram passados na rua, em que ela logo arrumou trabalho em um hotel. Conseguiu alugar seu próprio quarto onde sentia frio dormindo no chão. Ela sabia, porém, que esse era um percalço inicial, que dias melhores viriam. Dois anos depois de sua chegada a São Paulo, foi convocada pelo Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) para uma entrevista-chave. Pôde falar o porquê de seu refúgio: sua orientação sexual. Com sua história às claras, conseguiu tirar sua carteira de identidade, o Registro Nacional de Estrangeiros (RNE). Apesar da fácil adaptação na maior cidade da América Latina, Lara carrega Moçambique consigo. Faz caril de amendoim, receita da avó, que lembra sua infância no quintal da mãe de sua mãe. Lá era livre, brincava com os primos de jogar futebol ou com carrinhos de ferro. Isso antes de encarar a escola, sentir-se diferente, ser olhada como um ser de outro planeta. O engajamento com a sua própria vida trouxe a vontade de expandir seu conhecimento para além de seu interior. Em saraus que faz parte em São Paulo, Lara recita poemas de Mia Couto, renomado escritor moçambicano. Ajuda também na formação de professores, no que diz respeito à diversidade, inclusão e choque cultural. Com sua voz, transforma a vida de outras pessoas para que se sintam confortáveis em sua própria pele e abraçadas pela sociedade.

um sonho de liberdade

Ramona guarda dinheiro para conquistar sua liberdade. Ela se encontra presa a uma realidade que não se enquadra às suas aspirações. A jovem paraguaia explica que encontraria uma vida mais satisfatória em outro país. A pressão familiar a prende a uma rotina com atuação em Direito, carreira de mais da metade dos seus familiares. O trabalho é a base de seu sustento e a esperança financeira para alavancar uma nova jornada em sua vida. Longe de todos, poderia pensar e decidir por si só.

Começou a faculdade de medicina, sua primeira opção, mas no final do primeiro ano o estresse a afligiu. Faltou apoio emocional para que Ramona continuasse sua vida acadêmica. A depressão assolou sua vida. Largou os estudos e passou quatro meses sem sair da cama. Sem motivação, o tempo evaporava enquanto Ramona devorava tanto comidas diversas quanto conteúdos da Netflix. O fim da prostração se deu devido a uma traição no relacionamento que ainda mantinha. Algo tinha que mudar. Ela se reergueu e passou a frequentar a academia, com o intuito de retomar a forma física anterior.

Quando quis retornar à faculdade, foi impedida pela mãe. A matriarca tinha seus próprios objetivos para a filha. Deixou claro para Ramona que sua única chance havia se esvaído e, dessa vez, teria que seguir passos na advocacia para um futuro certo nos negócios da família. Sem opção, já que contava com o apoio financeiro dos pais, Ramona acatou a decisão da mãe. Ela foi criada para obedecer, ser uma filha exemplar. Seguiu a hereditariedade profissional imposta.

Seu irmão já se aventurou em Londres, trabalhando por lá. Ela vislumbra ter mesma a oportunidade. Em outro país, poderia revelar todo o seu âmago, sem influência dos familiares que confinam seu modo de agir. Se engajasse em uma nova vida em outro lugar, manteria contato, por amor, com sua avó. A anciã é descrita como uma pessoa sensata, reservada, que sabe encaixar as palavras certas na hora certa. Com grande afinidade, há uma intimidade entre as duas que falta com os outros parentes. Na fase mais difícil da sua existência, a avó dizia que a vida não acaba, há de continuar. A jovem mesmo pensa que tudo tem um porquê de existir; são lições que a vida traz.

Já encontrou entusiasmo no trabalho em uma organização não governamental, em que ela formava e capacitava voluntários para construir casas pré-fabricadas para aqueles que não têm um lar. Essa atividade seria mais gratificante, apesar de não ser bem remunerada. Algo encanta a jovem em prover uma vida melhor para uma classe social menos favorecida.

Um dos sonhos de Ramona é visitar Moçambique. O país africano apresenta um mundo à parte, com uma cultura totalmente diferente de sua realidade. Conhecer essa nação banhada pelo Oceano Índico traria brilho ao seu olhar. Ramona nunca foi discriminatória, sempre aberta a pessoas de todos os tipos de status. A diversidade para ela é valorizada, traz a riqueza do que significa ser humano. Esse também é um traço de sua avó que a inspira.

Nos encontros com o sobrinho, é só diversão. Ramona traz em seu interior o contentamento em oferecer memórias gostosas do tempo que eles passam juntos. Além do contato com familiares, há em uma amiga próxima a confiança. A energia dela é apreciada por Ramona que confidencia suas histórias, sonhos e desejos, recebendo palavras de incentivo. Recentemente, também encontrou conforto nos braços de uma mulher. Em termos de relacionamento, ela acredita que o lado feminino pode proporcionar mais empatia em laços amorosos. O melhor está por vir. A essência de Ramona continua crescendo dentro desta mulher em formação, com sonhos de liberdade que fluem em um percurso de afloramento.

facetas internas

Desde criança, Giorgio se interessava pelo sentido da vida. Era o pequeno um curioso sobre os mistérios da existência humana. O menino natural de Padova, norte da Itália, se deparava com uma urgência em desvendar como deveria viver: as nuances e fronteiras do seu existir. A escrita era uma válvula de expressão das emoções que afloravam de dentro do seu corpo. Seus diários exprimiam conflitos internos que foram descobrindo seu caminho através da poesia. Um pouco mais crescido, encontrou também pela voz a manifestação dos seus sentimentos; chegou a ser o vocalista de uma banda de rock.

Seus interesses, passando da infância à adolescência, se tornaram ecléticos. Tanto cursou estudos clássicos no colégio que incluía latim, grego antigo e filosofia como estimava as ciências e matemática. Decidiu estudar economia empresarial enquanto um amigo tentava convencê-lo de que deveria mesmo ingressar em física. Escolheu lidar com uma realidade mais concreta, mais prática da vida. Na universidade em Milão, seguiu em frente, porém muitas vezes com certo desinteresse. Não se apaixonou pelas disciplinas universitárias iniciais, mas o fascinava leituras privadas, especialmente de romances e filosofia.

Pensou em desistir de cursar administração; trocar de área. Arquitetura era uma opção, mesmo que não apresentasse tanta aptidão para o desenho. No entanto, deixou passar a data do exame de admissão. Escolher outro caminho era abandonar o que havia começado; um dilema árduo entre continuar o percurso escolhido e recomeçar do zero. Aspirou também entrar em uma escola de atuação como atividade paralela, uma das numerosas facetas de Giorgio.

Paralelamente, suas questões encontravam amparo nos livros que devorava. Os romances de Hermann Hesse ofereciam uma luz à sua busca. Tanto Narciso e Goldman quanto Sidarta o tocaram. Em O Lobo da Estepe, se deparou com as diferentes personalidades que há dentro de nós; uma espécie de conforto para aquele que leva tantos interesses dentro de si. O romancista juntamente com Friedrich Nietzsche injetavam entusiasmo pela língua alemã. Aprendeu o idioma e vislumbrou mudar-se para a pátria dos seus estimados escritores. Seguiu o conselho dos pais de encontrar um emprego antes de se arriscar em outro país; conseguiu rapidamente trabalhos em contabilidade e para lecionar em universidade, não mais os largando.

Além do alemão, se empenhou em aprender francês, espanhol, português e russo. Giorgio mergulha em cada cultura, ainda levando consigo aquele menino curioso sobre os mistérios da vida. Não estuda a língua somente por livros, aproveita as férias de verão para imergir-se no aprendizado. Já passou temporadas em Barcelona e em Buenos Aires para aperfeiçoar o espanhol; em Salisburgo e Munique para aprimorar o alemão; e em São Petersburgo para praticar o russo; tudo isso narrado em fluente português em São Paulo.

Talvez tenha um traço que se mistura ao de seus pais: ambos italianos que se conheceram na Rússia. A mãe é formada em filosofia russa; o pai em engenharia. Ela teve a oportunidade de trabalhar na embaixada italiana em Moscou. Encarou a decisão entre voltar à sua terra de origem para casar e uma vida livre na capital russa. Decidiu por retornar à Itália e começar uma família. A opção não foi engolida pela avó de Giorgio, mãe de sua mãe, que tentou convencer a filha a se separar e aproveitar a chance na ainda União Soviética.

Sua personalidade mansa tornou Giorgio o confidente da mãe. O garoto, afetivo e observador, ofereceu uma vez a ela sua atenção, que foi bastante apreciada em momento de uma depressão incompreendida que ela vivia. Sua disposição delicada abriu espaço para segredos guardados pela sua genitora. A confissão só veio, no entanto, após a morte do pai, de um infarto fulminante. A mãe revelou ao filho fatos que trouxeram mais compreensão à atmosfera familiar poluída que vivera e explicavam um tanto da melancolia que a mãe carregou durante anos.

Tempos depois foi a vez de Giorgio se defrontar com uma situação de ultimato: casar ou viver só. Após uma noite de pouco sono e muita agitação, decidiu que teria mais paz em solitude do que apostar em uma relação conturbada. Já bastaram as brigas constantes entre seus pais para se arriscar em mar revolto. Nos relacionamentos, prefere uma troca mais tranquila. Giorgio descreve seu amigo mais próximo desde a juventude como diferente de outros homens com que tem até relação sanguínea. Os companheiros de longa data compartilham ideias filosóficas e trocas de experiências de vida em uma presença terna.

A carreira sólida de Giorgio perdura como consultor contábil, auditor de empresas e professor universitário. Na pesquisa, se preocupa não somente com o desempenho financeiro, mas também com o impacto ambiental e social das corporações. Em paralelo, nutre seu trabalho na Lions Club, associação filantrópica em que atua desde a juventude. Encontra Giorgio o equilíbrio entre o lado prático da sua profissão ligada aos negócios, ao mesmo tempo em que vibra em seu interior o interesse pela filosofia, psicologia, budismo e yoga. A consistência profissional e as aventuras de aquisição de conhecimento sobre si e sobre o mundo se mesclam dentro desse italiano de alma sensível.

a outra parte de si

Foi no toque da caixa, tipo de tambor de samba, que ele se tornou participante ativo em seu novo universo tropical quando cravou os pés no Rio de Janeiro e fez da cidade seu novo lar. A ressonância do som das suas baquetas no bloco de carnaval carioca de Santa Teresa, ‘Me Enterra na Quarta’, tiveram o efeito oposto do seu significado no coração desse ítalo-brasileiro: fez com que ele se sentisse, de fato, vivo. Intrigado pela metade de seus genes tupiniquins, Stefano aterrizou no Brasil para encontrar a parte de si que não conhece tão bem. Seu pai, italiano, se aventurara por terras brasileiras onde encontrou o amor e a levou consigo para a grande bota europeia. Filho de mãe parintinense, torcedora do Garantido, Stefano assistiu, quando jovem, ao festival folclórico como um observador do mundo de sua genitora que aplaudia o boi identificado pela cor branca e coração vermelho. No entanto, era o rebento um mero turista, um espectador passivo, na festa popular amazonense. O mergulho na cultura fluminense, em sua nova jornada, aflorou das veias de Stefano uma paixão ímpar. Nasceu uma formação não somente carnavalesco-musical, mas um vínculo com os demais. Sentiu-se rodeado de amigos verdadeiros, abraçado pela comunidade. Ingratamente, uma tuberculose mostrou outro lado da cidade nem tão maravilhosa assim. A doença o conduziu para um momento obscuro, trevas em sua jornada de descobertas. O tratamento médico áspero de um sistema de saúde público pífio fez com que sua decepção o levasse a mudar de ares, buscando outra de suas essências, uma dentre as quais procurava quando atravessou o Oceano Atlântico.

Em São Paulo encontrou uma peça chave do seu quebra-cabeça interior: o sentido do seu trabalho. Não somente o ofício como ganha pão, mas um significado maior para sua existência. Psicólogo clínico, Stefano se interessa pela mente humana e, principalmente, por pessoas. Em um trabalho voluntário em um centro cultural milanês, ele ajudava árabes, nigerianos, e quaisquer imigrantes e refugiados que lá atracavam a aprender sua língua nativa. Na selva de pedras, Stefano colocou em prática a experiência adquirida em lecionar italiano no seu país de origem. No boca a boca, real e virtual, seus alunos se multiplicaram e solidificou sua essência professoral. Stefano vai assim criando bases para a nova realidade que ergue. O futuro traz na psicanálise outra vertente, outro caminho entre os já percorridos; uma imersão em seus interesses: o que constrói um ser humano.

Nascido em Milão, ele trouxe da Itália o amor pelo rubro-negro. Stefano guarda consigo uma camisa de futebol do Milan, presente de seus amigos italianos. Um lembrete de sua fração europeia que portou para o Brasil. Nela há estampado o nome ‘Lapadula’. Apesar de não se tratar de um jogador habilidoso, ele explica ter apreço por esse atacante por sua história de vida, chegando na série A tardiamente e usando da garra e vontade de ganhar como seus trunfos no jogo. O afeto vem também do fato desse jogador ser filho de imigrantes latino-americanos. Stefano tenta encontrar um time brasileiro equivalente para torcer, reviver o que o move no calcio italiano. Se enveredou pelo Palmeiras, mas, antes mesmo de se apaixonar pelo Palestra Itália, veio uma grande desilusão. Felipe Melo fazendo sinal de ‘arminha’ e a torcida do novo presidente eleito Jair Bolsonaro o brocharam. A busca continua. De toda forma, o correspondente das vivências italianas de Stefano talvez não seja possível ser encontrado no Brasil, mas sim novas paixões que desabrocham na sua experiência local. O ítalo-brasileiro veio buscar algo de sua origem em uma estada temporária, tempo suficiente para tal investigação de sua matriz parcial. O plano inicial de permanecer por alguns meses no hemisfério sul, porém, se transformou em relocação permanente. No Brasil, assim como seu pai, encontrou o amor. Stefano fincou os pés e criou raízes nas terras sul-americanas, explorando àquela parte de si que agora já não é tão desconhecida assim.  

molding her body, training her soul

Shaping her muscles for a bodybuilding tournament became a mission beyond presenting a well-delineated body in Bianca’s life. This time the challenge had a different quality: The arduous and repetitive muscular training reserved a motivation superior to aesthetic purposes. To develop a choreography for her bodybuilding performance required creativity, pushing Bianca out of her comfort zone. This quest involved not the attainment of perfectly shaped and groomed body but the submission to judgment. Bianca turned into a body builder to defy her own notions of self-consciousness. Displaying her toned muscular curves to a set of judges accomplished the deed. Even though Bianca felt terrified of the exposure, an internal driving force compelled her to perform, to overcome her fears.

It was not about finishing first but about being out there. Her idea of success is defined by accomplishing the task. Winning is realized in the process of exposing oneself. If there is anxiety, she defeats it. Bianca explains that people will judge you whatever you do and the best way to deal with uncomfortable situations is to confront them: to submit yourself to judgment with no expectations. This high-achiever masters obstacles that life places in front of her. Energetic, her body has been an instrument of her will. Not that this muscular woman runs over no-trespassing signs like a raging bull. Rather she is aware of the constraints of nature, attending to limits determined by her bones, nerves, and cells. When Bianca faces a dead-end street, she raises her head to find alternative pathways.

In Thai boxing, she happened to be one of the few British women offered the opportunity to compete in the world championship. A concussion suffered from strikes to her head ruined her chance. The brain injury led to cognitive and affective complications: depression, blurred vision, short-term memory loss. Suicidal thoughts popped in her mind. Hormonal treatment followed to tame the myriad of symptoms.

Being among elite athletes brings the best out of her. On another occasion, Bianca pursued her vision to be part of the Olympic Games in London. Because of her mother’s Belizean origin, she’d be able to represent the small country of Central America at the largest event in international sports. She proposed to Belize’s committee to participate in the Olympic marathon, suggesting that she could finish the run in less than three hours—contingent on extensive training.

Shortly after having undergone an abortion, Bianca was again in the arena. The long-distance runner joined the tribe of Kenyan marathonists in East Africa to prepare. Bianca headed to the Rift Valley, in Kenya, which has an altitude of 2,500 meters. The extreme circumstances are said to help the body to achieve better results at sea level. Blood would run down her uterus while training, bearing testimony to the recent terminated pregnancy. However, it wasn’t the distress her body coped with that stopped Bianca. Her back failed her; a hamstring tendon injury destroyed her plans.

Resilience persisted. Bianca recollected and reinvented herself once more. She doesn’t stop. This survivor explains that she has become a specialist in failure. Failing usually has a negative connotation, particularly in England, she remarks. For this strong-minded athlete there is more to failure than the fact of defeat. In her view, failure makes us learn, experience, and grow. This half-Belizean, half-English woman embraces the idea of ‘keep trying.’

In her professional life, Bianca has also been purposeful. In the fields of micro and molecular biology, she ended up in a lab working with vaccines. It wasn’t her thing. Soon she wished to escape from an environment that cultivates a kind of science biased by financial interests. Not even the idea of eradicating viruses sounded like a worthwhile endeavor. For the researcher of biological agents, these creatures have an evolutionary role; they’re part of a human’s DNA, our co-evolved pals. Modern medicine disappoints her. Bianca views nature as a process, which prompted her departure from the molecular biology lab.

Bianca believes that there is always something to gain from any experience. She was able to combine her two passions: sports and science. In sports science she found a way to express herself. She’s interested in how testosterone levels increase in women who train and formulated a PhD project on this, but hasn’t had a chance to start quite yet. The sport scientist helped young athletes with strengthening and conditioning as well as assisting people with injury prevention training. But it’s as a motivational trainer that Bianca pictures herself in the future. This athlete-biologist seeks to help people overcome their fears, achieving well-being and mental equilibrium.

This mindset has led her to Jiu-jitsu, another martial art in her life. In contrast to Thai boxing that focuses on attacking the adversary, Jiu-jitsu is about using the strength of the opponents against themselves. This type of combat involves problem solving skills for precise movements and a subtle way of using the body, emphasizing fluidity and harmony.

Bianca’s way of moving and thinking inspires others. Her message comes through her body, through her existence, through her experience. She believes that her life story can resonate with people. There are other perspectives through which to make sense of events. A situation can be both catastrophic and fortunate at the same time. Bianca’s endeavor is to teach us the art of failure. On this view, sports can become therapeutic and strengthen a sense of community. Her favorite word is ‘ubuntu’, an African expression that flags the connection among all humans through bonding and sharing. Bianca is not afraid to transform failures into experiences, and experiences into opportunities of relating to others.